Tornar-se Fotógrafo

©2004joaohenriques - autoretrato

O meu ego fotográfico anda em cacos por estes dias, já não só pelas dúvidas que me usualmente habitam quanto ao “fotografar”, mas também pela leitura deste On Being a Photographer, escrito a meias por David Hurn da agência Magnum e Bill Jay, amigo daquele. À excepção das primeiras páginas em que é feita uma resenha da vida e carreira de David Hurn, mal começa a “conversa” própriamente dita entre os dois, é uma saraivada de setas a qualquer aspirante, amador interessado, armado em fotógrafo só porque tem uma “grande” máquina, esteta cujo principal interesse é a “beleza” do sexo oposto (ou do mesmo) e outros fins mais ou menos terapêuticos, consoante o caso. Arrumada a parte em que mutilo a minha auto-imagem, encaremos os factos, a fotografia pede método e planeamento prévio ao acto de fotografar, bem como no após, humildade para mostrar as fotografias e aceitar críticas, disponibilidade temporal e financeira, interesse continuado no objecto e conhecimento sobre o mesmo, objectividade, distanciamento e capacidade auto-crítica. Mas desengane-se quem pense que se trata aqui apenas de teorizações, toda esta informação é transmítida como se de fio a pavio se montasse um projecto, com praticamente todos os aspectos do antes, durante e depois, escrutinados pela lupa de um fotógrafo “á antiga”, onde cheira a gelatina de prata e fixador por todo o lado. Felizmente, do que se fala, interessa a todos os que procuram algo mais na fotografia mas que ainda não sabem o que é… se lerem o livro ficam a saber.


Tags:
Share: Facebook, Twitter, Pinterest

Comments:

teresa
October 3, 2008

ficaste mesmo baixinho neste autoretrato, eehheh

nica paixão
November 14, 2008

Descobri ontem este site. Gostei do seu trabalho. Muito. Fiquei curiosa acerca do livro (há meses que só consigo ler aobre fotografia) e saí do trabalho e fui lê-lo. Já vou a meio e o meu ego também está abalado embora sinta que isso é fundamental para evoluir. Ver o seu trabalho sobre jazz também me abala o ego e me impulsiona à evolução (ou assim o espero). Talvez um dia lhe peça uma opinião à la David Hurn sobre o meu trabalho.

Joao Henriques
November 14, 2008

Obrigado, li o texto de novo e vi que tenho que meter mais umas vírgulas...

Leave a Comment: