A Teoria do Arquivo

O conceito e a prática de arquivo, objecto que o presente trabalho se propõe analisar, levantam questões de ordem política, social e metafísica. Estas questões são abordadas de diferentes formas e perspectivas por vários autores, sendo, entre estes, Michel Foucault e Jacques Derrida determinantes para a formação e compreensão do conceito de arquivo, embora apresentem pontos de vista distintos. A abordagem de Foucault procura no próprio enunciado da linguagem a origem do arquivo, enquanto a de Derrida procura uma afinidade entre a psicanálise e o arquivo, questionando a memória e a finitude do corpo individual e também a memória colectiva e as relações de poder de uma nação. (…) Paralelamente, a prática do arquivo suscita outras questões que abrangem os próprios documentos ou outros objectos que constituem o arquivo. Para esta matéria são fundamentais os textos de John Tagg e Allan Sekula, que reflectem essencialmente a pretensão de que a fotografia se tornasse uma testemunha fidedigna da verdade, algo que se manifesta durante a segunda metade do século XIX.

Nota introdutória a um trabalho desenvolvido para cadeira no âmbito do Mestrado em Comunicação e Arte, pela Sara Magno, que partilha no seu blog outros artigos relevantes para a teoria fotográfica. Com a proliferação de estudos avançados e superiores de fotografia por esse país fora, a par da possibilidade de publicação virtual, seria de esperar maior intensidade neste tipo de partilha. No entanto tal parece não estar a acontecer, pelo que se louva ainda mais a iniciativa da Sara. Quem ousar publicar ou tiver no seu site artigos de autor, contacte-me para mencão ou publicação aqui no blog.

Share: Facebook, Twitter, Pinterest

Leave a Comment: