ligações (pouco) perigosas @23.07.2010

  • Um livro de um escritor não é feito apenas de belas palavras ou de frases bonitas, é preciso outras para sustentar o “corpus” e a linearidade do texto. Nesse sentido, todas as fotografias servem o mesmo fim. Haverá umas que se destacam mais do que outras de uma forma estética mas que, sozinhas, para mim, não teriam muito interesse. As fotografias não servem para decorar paredes.” Excerto da entrevista que Daniel Blaufuks deu a Kathleen Gomes a propósito do lançamento pela Steidl do livro “Terezin” e que pode ser lida n’ O fotógrafo que suspeita das imagens.

  • Exemplificando nominalmente a patetice que parece regulamentar a maioria dos (pseudo) concursos de fotografia, este agastado A banalização do engano. Ainda a resposta não chegou ao nível do “só participa quem quer”, mas é só aguardar pacientemente. Aos potenciais interessados numa trajectória de afirmação minimamente congruente, uma nomeação num certame dos do género citado no texto é provavelmente mais desprestigiante que o contrário, mas de resto, não parece que faça por aí além de mal à fotografia portuguesa. Participar? Proíbido não será, mas se fôr com o intuito de impressionar, as impressões causadas podem ser de quadrantes contraditórios. Em último análise, as regras leoninas, geralmente a favor da organização, quase obrigam o fotógrafo avisado a declinar a oferta. A este respeito um outro artigo com interesse, My Guide To Photography Contests, onde se percebe que o fenómeno do “xico-espertismo” não é exclusivo lusitano.
Share: Facebook, Twitter, Pinterest

Comments:

July 23, 2010

Por acaso tive oportunidade de ler essa entrevista, só não sabia que já estava disponível na net... O primeiro parágrafo destacado faz mesmo o meu género. :-) Essa forma de "ler" a fotografia, devia ser mais divulgada por tudo o que são escolas, de todo o tipo. A imagem fotográfica, já conquistou o direito a ser considerada como uma forma de escrita, independente da escrita caligráfica, embora por vezes complementar a ela. Está portanto, na hora de a ensinar às crianças, desde a escola primária, esta nova forma de escrita, a escrita por imagens.

Leave a Comment: