180 Graus, 2009-2010

“Existe sempre um aspecto subjectivo na paisagem, algo na imagem que nos diz tanto acerca daquilo que está em frente da câmara, como de quem está por detrás dela.Robert Adams

Fotografias sobre a cidade de Torres Vedras, captadas a partir de um duplo eixo, originando a apresentação em pares. Uma das imagens do par ilustra um plano desse território no seu ordenamento, uso e morfologia, tendo a imagem seguinte sido feita na sequência imediata e no plano oposto, e portanto a 180 graus, da primeira. Dessa segunda imagem surge, supostamente, uma fotografia aleatória, não pensada, nem determinada, pelo fotógrafo. Ao mesmo tempo que surgem associações opostas, e inesperadas, sobre a identidade do lugar, emergem também questões desafiantes à ontologia da fotografia, ligadas à objectividade e subjectividade, e aos canones de recepção estética da paisagem.

“There is always a subjective aspect in landscape, something in the picture that tells us as much about what is in front of the camera, and who is behind it.”  Robert Adams

These pictures depict the city of Torres Vedras, having being done upon a double axis and presented in pairs. One of the pictures illustrates a specific characteristic of this territory, in its planning, use, morphology, and the other was made immediately after the first, at its opposed plane, at 180 degrees. From the second picture, comes a non determined, neither thought, photography.  Unexpected associations and oppositions about the identity of the place contrast with ontological aspects of photography. Simultaneously with opposing and unexpected associations on the identity of the place, these images also challenge ontological issues of photography linked to objectivity, subjectivity, and canons of aesthetic reception of the landscape.